Jovem Acusado de Lesionar Outro em Colégio de Tocantinópolis Contesta Versão da Vítima

Data do post: 07/12/2019 20:23:17 - Visualizações: 4637

Foto DivulgaçãoO jovem das iniciais M. C. de 18 anos, entrou em contato com a redação do Portal Tocnoticias para contar a sua versão do acontecido, e segundo o acusado, o menor T. C. da S. de 16 anos chegou na sala dando um chute de surpresa em sua mesa quando M. C. estava despercebido fazendo um exercício de casa que não teria terminado a tempo.

M. C. relatou ainda que após o acontecido, a mãe do menor que teve o lábio cortado durante o revide, o ameaçou abertamente dizendo que "ele estaria com os dias contados", o que fez com que o jovem, acompanhado de sua mãe, também registrasse um Boletim de Ocorrências contra a genitora do menor.

A mãe do aluno apontado como sendo o agressor, contou que foi até o colégio para saber do acontecido e funcionários disseram que a genitora do aluno lesionado estava bastante alterada em uma sala do estabelecimento, e que o colégio tomou as atitudes cabíveis ao fato ocorrido, pela circunstancia da situação, os funcionários não iriam chamar a mãe para conversar com a outra mãe pelo fato da mesma está bastante alterada. "Após meu filho ter contado a versão dele aos responsáveis no colégio, fomos pra casa e quando estávamos saindo encontramos com ela num corredor e a mãe do T. C. da S. já foi dizendo `Olha os dias do teu filho estão contados´, isso na frente de vários alunos e da porteira da escola, não falamos nada e fomos embora. Quando estávamos passando pela Escola Estadual Pio XII na Avenida Nossa Senhorade Fátima, ela que já estava nos seguindo, conseguiu nos acompanhar vindo até a porta da nossa casa, quando descemos ela voltou a ameaçar meu filho dizendo que na família dela tinha muito bandido, e que era para o M. C. não sair de casa porque o marido dela e o filho dela seriam capazes de fazer qualquer coisa com meu filho". Contou receosa a mãe do acusado.       

Diante das ameaças da outra mãe, a genitora de M. C. resolveu também fazer o B.O. para resguardar o seu filho.

A Outra Versão

Sobre a versão do acusado, M. C. contou que quando chegou no Colégio por volta das 07 horas, cuidou em fazer um exercício que não teria terminado em casa, quando ele estava entretido de cabeça baixa escrevendo, de repente, recebeu um supetão na mesa que derrubou todos os materiais escolares que estavam na mesa. "Me revoltei com a situação e acabei jogando a mesa nele, ato de instinto mesmo, de legítima defesa. Como infelizmente ele se machucou, chamaram a mãe dele, que quando chegou, começou a me xingar de vários nomes, dentre eles de vagabundo e gordo sem vergonha". Contou o Jovem que se diz arrependido de ter revidado a injusta agressão.  

O caso agora será resolvido na justiça, e continuaremos acompanhando o desenrolar dessa triste ocorrência escolar.



Fonte: Redação do Tocnoticias