Cultivo Do Algodão No Estado é Encerrado Com Colheita De Marca Histórica De Produção

Data do post: 12/10/2020 21:55:31 - Visualizações: 199

ADAPEC-TOA produção de algodão em caroço é mais uma atividade agrícola em expansão no agronegócio tocantinense. Segundo informações do 12° levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a safra do algodão 2019/2020 foi encerrada batendo a marca histórica na produção, um crescimento de 57%, em relação à safra passada. Na safra anterior, foram produzidas 17,74 mil toneladas; e nesta safra, alcançou o patamar de quase 27,87 mil toneladas de algodão.

A área de plantio do algodão também vem crescendo a cada safra, em 2018/2019 foram cultivados 4,4 mil hectares de algodão, saltando para 6,74 mil hectares, um incremento de 53% na área cultivada. Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Valdinei Sofiatti, a produção do algodão no Tocantins vem se destacando por apresentar condições favoráveis. “A produtividade da cotonicultura é comparada àquela obtida no restante do Cerrado brasileiro, uma vez que as condições climáticas são semelhantes. Uma lavoura bem conduzida pode obter produtividade superior a 300 arrobas de algodão por hectare, equivalente às demais regiões produtoras do país. As condições de precipitação e temperatura são semelhantes às verificadas no Estado do Mato Grosso, que é o maior produtor no Brasil”, destaca.

O pesquisador ressalta ainda que outros fatores contribuem para o crescimento da produção. “Algumas usinas de beneficiamento estão instaladas inclusive com ociosidade, podendo atender um aumento de área cultivada, permitindo novos produtores que desejam iniciar na atividade. Além disso, a tecnologia está avançada, utilizando as mesmas cultivares e um sistema de produção totalmente mecanizado do plantio à colheita no Tocantins”, complementa.

Para o engenheiro agrônomo da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), Antônio Cassio, o Tocantins mostra algumas características que estão atraindo os produtores a iniciarem os investimentos nesta cultura como a “logística para escoamento da produção, tanto para o mercado interno como para exportação, disponibilidade de energia elétrica para instalação de usinas de descoroçoamento em todas as regiões com potencial para produção e condições climáticas que permitem um plantio mais tardio e até mesmo uma segunda safra precoce”, conclui.

De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), a produção no Brasil bateu recorde nos três últimos ciclos, concluindo a colheita 2019/2020 da cotonicultura, atingindo a marca de 2,9 milhões de toneladas, 5% a mais do que a safra anterior. O beneficiamento do algodão, processo que separa a semente da fibra para que possa seguir a indústria, também está em ritmo acelerado, sendo que 50% do total colhido já foi processado, sem possibilidade de entressafra para a indústria têxtil. O Brasil é o quarto maior produtor mundial de algodão, fornecedores de pluma em 12 meses por ano.



Fonte: ADAPEC-TO