Eleição Histórica da Primeira Mulher Presidente da Comissão Europeia

Data do post: 12/08/2019 09:39:14 - Visualizações: 3252

Foto DivulgaçãoA alemã Ursula von der Leyen foi eleita presidente da Comissão Europeia pelos membros do Parlamento Europeu por via de voto secreto. A ministro da defesa de centro-direita substituirá o presidente cessante da Comissão, Jean-Claude Juncker, em 1 de novembro deste ano.

Ursula von der Leyen garantiu o apoio de mais da metade dos membros do parlamento europeu na noite de terça-feira (15). Com este resultado, consegue um feito histórico, pois é a primeira mulher a ser eleita presidente da Comissão Europeia.

A Comissão elabora legislação da UE, aplica as regras da União Europeia e tem o poder de aplicar multas aos Estados-Membros, se necessário.

A quando da sua eleição, Rivalo apostas nela pelos membros do parlamento europeu era a confiança depositada na Europa, numa Europa unida e forte, de leste a oeste, de sul a norte. Ela confessou que é uma grande responsabilidade e que o seu trabalho começará agora, trabalho esse que promete ser feito em conjunto e de forma construtiva.

A sua eleição foi confirmada por uma margem reduzida de 383 votos a 327, sendo que ela precisava do apoio de 374 dos 747 eurodeputados para ganhar. Um total de 751 eurodeputados foram eleitos em maio, mas quatro estavam ausentes para a votação de terça-feira.

Nascida em 8 de outubro de 1958 em Ixelles, Bruxelas, Ursula Von der Leyen tem sete filhos e formou-se em e praticou ginecologia antes de entrar no mundo da política. É também formada em economia.

Ministra da Defesa da Alemanha nos governos de Angela Merkel desde dezembro de 2013, de 60 anos, Van der Leyen foi criticada na Alemanha pela falhas persistentes a nível de equipamento das forças armadas alemãs e pelo que alguns consideram ser seu estilo de gerência distante.

Ela prometeu colocar pressão para que a UE desempenhe um papel mais importante no bem-estar social, no combate à pobreza e ressaltou ainda que defenderá os direitos das mulheres na Europa e no Mundo.

Nesta terça-feira (15), em um discurso no Parlamento Europeu, Ursula von der Leyen fez mais algumas promessas significativas. Que iria trabalhar para dar ao Parlamento Europeu "o direito de iniciativa" – significando isto que a Comissão Europeia teria de legislar sobre as resoluções dos eurodeputados; atualmente, apenas a Comissão Europeia pode redigir leis Sobre a onda migração ilegal que se tem registrado a caminho da União Europeia, ela disse que iria aumentar a força de fronteira da Frontex da UE para 10.000 funcionários até 2024, mas disse que era preciso preservar o direito de asilo através de corredores humanitários.

Ela ofereceu um "esquema de seguro" da UE para reforçar os esquemas nacionais de seguro para os desempregados.

Esta eleição resulta de dias de negociações difíceis e um difícil compromisso entre os países da UE de nomear Von der Leyen, uma aliada conservadora e próxima alemã de Angela Merkel.

Ela conseguiu 383 votos, apenas nove a mais que o mínimo necessário. Isso pode deixá-la numa posição enfraquecida, uma vez que parece ter sido ajudada na linha pelos votos dos eurocépticos e eurodeputados de direita da Polônia e da Itália.

Os verdes, por outro lado, não votaram nela. Eles disseram que os seus compromissos para com a mudança climática e salvaguarda das vidas dos refugiados que tentam atravessar o Mediterrâneo são muito fracos. Os socialistas também ficaram irritados com o fato de seu candidato preferido ter sido ignorado pelos líderes da UE.



Fonte: Da internet