TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Com Participação de Tocantins, Região Norte Produz Campeões no Poker

Data do post: 29/10/2019 18:25:25 - Visualizações: (1360) Imprimir

Foto: Pokernews Nos últimos anos, competidores do Nordeste e do Norte mostraram que a força do poker brasileiro está muito bem distribuída geograficamente com jogadores que estão na elite da modalidade a nível nacional.

É fato que Tocantins não é uma das potências da região, porém, alguns competidores do Estado ajudam a reforçar ainda mais a força do Norte no cenário do poker brasileiro.

O Norte é bicampeão brasileiro de poker

O Brasil tem dimensões continentais. Em termo de tamanho territorial, o país é o quinto, atrás apenas dos Estados Unidos, da China, do Canadá e da Rússia. Com tanta território, o potencial esportivo é nítido e o poker consegue explorar isso muito bem.

A fim de calibrar ainda mais o equilíbrio entre os Estados e de incentivar a competição sadia entre os melhores jogadores do país, em 2013 a Confederação Brasileira de Texas Hold’em (CBTH) passou a implementar o Campeonato Brasileiro de Poker por Equipes (CBPE) paralelamente ao Brazilian Series of Poker (BSOP).

A ideia funcionou muito bem. Desde então, sete edições já foram realizadas e todas tiveram pontos positivos que ajudaram na popularização ainda maior desse esporte em território nacional. Uma das ótimas novidades é que o CBPE, desde a sua criação, exige a participação de pelo menos uma mulher na seleção estadual.

Foto: PokernewsEm sete competições já realizadas, o Norte já foi campeão duas vezes e empata com o Sudeste e o Sul em número de títulos. A primeira conquista veio em 2014, com o Amazonas, e foi seguida no ano seguinte com a vitória de Acre e Rondônia.

Jogadores com destaque no cenário nacional

O Norte não seria forte a nível nacional se não fossem pelos seus excelentes jogadores com feitos extraordinários nas mesas de poker. O principal deles é certamente Caio Hey. Símbolo de consistência e regularidade, o competidor de Rondônia, que fez parte do elenco campeão em 2015 no CBPE, tem uma carreira extremamente sólida.

2018 foi o até então melhor ano da carreira do rondoniense. Na ocasião, Hey foi o vice-campeão do tão disputado ranking do BSOP e só ficou atrás de Saulo Sabioni, sul-mato-grossense que teve uma temporada histórica no ano passado com o recorde de pontos conquistados dede a criação do circuito (2006).

Neste ano, Hey não tem tido a mesma regularidade de outrora, mas segue na elite do poker nacional e com ótimos resultados no BSOP. Entrando para a última etapa do circuito, que acontecerá entre novembro a dezembro, o rondoniense aparece com a 22ª colocação geral.

Como já é tradicional aos grandes jogadores de poker do Brasil, Hey fez um tour pelos Estados Unidos entre junho e julho deste ano, quando competiu pela World Series of Poker (WSOP).

Além de disputar o circuito mais importante de cartas do planeta, ele viajou até o Canadá para jogar outro torneio de proporções mundiais.

Outro competidor do Norte que faz bonito Brasil afora é Ângelo Neto. Natural do Amazonas, ele foi um dos principais nomes na conquista de 2013 e nos últimos seis anos tem sido um jogador difícil de ser batido nas mesas de poker.

Com já quatro títulos nos torneios do BSOP, a principal conquista do amazonense veio em 2017, quando ele levantou o troféu de campeão do Main Event realizado em São Paulo.

Foto: PokernewsNo maior título individual da história do poker nortista, Ângelo ganhou R$ 575 mil em premiação e cravou seu nome nos livros dos recordes da modalidade no Amazonas e região.

Além dos competidores da velha guarda, o Norte tem tido algumas revelações bem interessantes nos últimos anos, como o jogador José Orlando do Nascimento.

De Rondônia, José Orlando está se destacando no Kings Series of Poker (KSOP) desta temporada. Com a liderança do ranking Omaha, que é uma modalidade paralela à principal, só tem mais uma etapa a ser disputada e ele é o grande favorito para ser o campeão dessa variante do poker.

Os melhores tocantinenses no poker

Além da modalidade no ao vivo, não faltam grandes jogadores do Norte que se destacam no poker online. Apesar da região ser a pior em termos de eficiência de internet no país, os jogadores superam esse obstáculo com muito conhecimento e habilidade.

O principal jogador de Tocantins no poker online é certamente Warley Bruno. Da capital Palmas, o jogador de apenas 23 anos é uma das principais revelações do poker nacional. Warley está entre os 60 melhores do Brasil, o que é considerado um feito impressionante tendo em conta que o país é uma das grandes potências do poker no âmbito mundial.

Só com a premiação no poker online, Warley acumula aproximadamente US$ 900 mil e tudo indica que a carreira do jogador está só começando. Ele atingiu o auge no ano passado, quando ocupou a 158ª colocação no ranking mundial.

Em 2018, Warley fez história ao superar mais de 5.300 adversários, cravar um torneio de extrema relevância no poker online e assim embolsar cerca de US$ 145 mil.

O destaque coletivo do Estado fica para a excelente participação no CBPE do ano passado. Sediado em São Paulo, a competição teve 20 seleções e Tocantins ficou com a terceira colocação geral — atrás apenas de São Paulo e Paraná.

A seleção estadual tocantinense foi composta por Eduardo Sousa, Felipe Alves, Thiago Tavares, David Moura, Thiago Ferreira, Márcia Donato e Heber Luís Fidelis. A terceira colocação foi de longe a melhor participação de Tocantins no evento.

A região Norte não depende de apenas um Estado para “carregar” a região. Com excelentes competidores em Rondônia, Amazonas, Tocantins e em outros lugares, provavelmente as seleções estaduais seguirão em alto nível por muito tempo.

Fonte: ,

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.