TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Ministério Público Aciona Judicialmente Ex-prefeito de Luzinópolis, Servidores e Empresário por Fraude em Licitação

Data do post: 13/12/2019 11:39:41 - Visualizações: (1478) Imprimir

Foto DivulgaçãoAção Civil Pública foi ajuizada contra o ex-prefeito Ari Almeida,os servidores José Alves Damasceno Júnior, Antônio Sousa dos Santos, José Cardoso da Costa e o empresário Nelson da Silva Noleto.

O direcionamento de licitação destinada à contratação de empresa, no ano de 2014, para fornecimento de materiais de limpeza, utensílios, consumo e alimentação levou o Ministério Público do Tocantins, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Tocantinópolis, a ajuizar nesta quinta-feira, 12, Ação Civil Pública (ACP) em desfavor do ex-prefeito de Luzinópolis, José de Arimatéia Coelho e Damasceno; dos servidores municipais José Alves Damasceno Júnior, Antônio Sousa dos Santos, José Cardoso da Costa; e do empresário Nelson da Silva Noleto.

As supostas irregularidades foram noticiadas por meio de denúncia anônima ao Ministério Público que, a partir da instauração de inquérito civil público, apurou que o procedimento licitatório, na modalidade pregão presencial, foi apenas pretexto para que o Município de Luzinópolis pudesse contratar a empresa N. da Silva Noleto Comércio e Serviços-ME, única a comparecer no dia e hora da abertura da sessão e credenciamento dos licitantes. No entanto, o procedimento restou comprometido em virtude de irregularidades que macularam a legalidade do certame.

Imagem do Site www.tocnoticias.com.brSegundo o Promotor de Justiça Celsimar Custódio, a referida empresa, vencedora do pregão, estaria impedida de se consagrar vencedora, em razão de possuir restrição na junta comercial, desde o ano de 2012, tendo ainda apresentado a comprovação de regularidade fiscal sem que a mesma fosse autenticada pela Secretaria da Fazenda do Estado do Maranhão, onde a empresa era registrada. “Verifica-se conluio dos servidores públicos responsáveis pelo pregão e do gestor municipal com o titular da empresa, a fim de que esta participasse do certame, com o propósito manifesto de direcionamento de licitação”, expôs Celsimar.

Com base nos apontamentos, a ACP requer à Justiça a concessão de medida liminar determinando a indisponibilidade dos bens dos requeridos, no valor R$ 347.805,10 a fim de recompor o dano efetivamente causado ao erário.

Fonte: Denise Soares/Ascom MP

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.