TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Central de Atendimento à Mulher 24H Oferece Atendimento Humanizado e Acolhedor

Data do post: 17/03/2020 14:49:17 - Visualizações: (352) Imprimir

Secretaria de Segurança Pública-TO No mês em que a mulher recebe homenagens e é alvo de inúmeras reflexões sobre seus direitos, como também das violências contra ela praticadas, a Secretaria da Segurança Pública do Estado do Tocantins, por meio da Polícia Civil, contabiliza os mais de 500 atendimentos realizados pela primeira Central de Atendimento à Mulher 24 horas (CAM-24H). Implantada em Palmas pelo Governo do Estado em outubro do ano passado, a nova unidade foi concebida para realizar atendimentos especializados à mulher vítima de violência doméstica e familiar.

Com atendimento padronizado e ainda mais humanizado, a CAM-24H foi Implantada em Taquaralto, no Sul da Capital, por ser esta a região que detém 73% das agressões e crimes praticados contra a mulher na Capital. A padronização do atendimento foi regulada pela Instrução Normativa nº 04 de 22 de novembro de 2019, publicada no Diário Oficial do Estado nº 5.505 de 16 de dezembro de 2019.

A instrução trata dos protocolos de atendimento à mulher vítima de violência doméstica e familiar e aplica-se também às três Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher-Deam (duas em Palmas e uma em Araguaína) e às 11 Delegacias Especializadas em Atendimento à Mulher e Vulneráveis-Deam-v.

Protocolo

Das ações elencadas no protocolo, destacam-se à capacitação periódica de todos os servidores que compõem o corpo de plantonistas que atuam na CAM-24 e a salvaguarda da integridade física, psíquica e emocional da mulher. O protocolo estabelece também que, verificado risco iminente à vida da vítima, a autoridade policial responsável pelo atendimento deve questioná-la sobre a necessidade de encaminhamento à Casa Abrigo. Quando houver requerimento de Medidas Protetivas de urgência, será solicitado que a vítima preencha o formulário nacional de avaliação de risco e proteção à vida, estabelecido pela Resolução nº 284 do Conselho Nacional de Justiça.

O protocolo estabelece ainda que o servidor que atender uma pessoa vítima de violência sexual deve acolhê-la, bem como manter discrição sobre o tipo de violência sofrida, além disso, em caso de violência sexual é fundamental que a equipe de atendimento tenha consciência de que a mulher é vítima e, nesse viés, suas roupas, maquiagem, acessórios, amigos, vida social, local onde se encontrava não determinam que ela seja responsável ou culpada pelos fatos.

Fonte: Secretaria de Segurança Pública-TO

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.