TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Sindicato dos Farmacêuticos Orienta Gestantes Sobre Implicações de Nova Medida Provisória Editada Pelo Governo Federal

Data do post: 03/06/2020 12:27:06 - Visualizações: (359) Imprimir

Foto DivulgaçãoA Medida Provisória nº 936 de 1º de abril de 2020, instituiu o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e dispor sobre medidas trabalhistas complementares para enfrentamento do estado de calamidade pública, o caso, a pandemia do novo coronavírus.

Entre outras medidas, a MP permite que empregadores, empregados e sindicatos, acordem a redução da jornada de trabalho, com proporcional redução salarial (25%, 50%, 70%) ou a suspensão dos contratos de trabalho. De qualquer forma, tais medidas terão impacto na vida de empresas, empregados e seus familiares.

 Para compensar os impactos da redução ou suspensão dos contratos de trabalho, a MP criou o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda. Trata de um valor que será pago, pelo Governo Federal, baseado no valor da parcela do seguro desemprego, a qual o trabalhador teria direito, no caso de uma demissão sem justa causa. Além da estabilidade no emprego, pelo dobro do tempo que perdurar o acordo.

Gestantes

Em relação a estabilidade no emprego, a aplicação da MP não terá qualquer impacto, uma vez que a empregada gestante, goza de estabilidade provisória, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto, garantida pela Constituição Federal, portanto a aplicação da MP 936, em relação a estabilidade do emprego da gestante seria indiferente.

Remuneração

Foto DivulgaçãoDe acordo com a lei que dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social, “O salário-maternidade para a segurada empregada consistirá numa renda mensal igual a sua remuneração integral”. Desta forma, qualquer redução salarial, ou até mesmo suspensão, causaria prejuízo incomum ao salário maternidade.

Alguns acordos coletivos e/ou individuais preveem o pagamento de uma ajuda mensal compensatória, porém, apenas durante a vigência do acordo. Para o Presidente do Sindicato dos Farmacêuticos, Renato Soares Pires Melo, “A trabalhadora gestante tem proteção constitucional, na legislação trabalhista e em normas coletivas. Sempre recomendamos aos empregadores, não criarem situações adversas para as gestantes”.

 Grupo de Risco

O Sindicato dos Farmacêuticos já se posicionou contrário a qualquer acordo que tenha como objetivo reduzir ou suspender o contrato de trabalho das farmacêuticas gestantes. A Organização Mundial de Saúde – OMS e o Ministério da Saúde – MS incluíram as gestantes no grupo de risco, desta forma, sempre que puderem, os empregadores deverão afastá-las das suas atividades, com a manutenção da remuneração. “Nossa função é proteger a nossa categoria”, garantiu Melo.

O Sindifato enviou notificações extrajudiciais para as farmácias, drogarias, hospitais, clínicas e laboratórios em atividade no Estado do Tocantins, solicitando cópia do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), devidamente atualizados, para saber como estas empresas estão se adequando a pandemia do novo coronavírus.

 

Fonte: Mara Santos - Jornalista DRT: TO665

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.