TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Cidadania e Justiça Alerta Para o Direito à Privacidade de Crianças e Adolescentes Diante da Exposição Nas Redes Sociais

Data do post: 16/06/2020 18:04:50 - Visualizações: (250) Imprimir

Portal do TocantinsNa atual era digital, quando a busca por likes e por seguidores move toda uma geração sedenta por visibilidade, o conceito de privacidade fica distorcido. O problema é quando essa superexposição chega às crianças e aos adolescentes, o que pode tornar-se um constrangimento para eles. Nesse sentido, a fim de resguardar o direito à privacidade desse grupo vulnerável, a Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju) alerta para as conseqüências indesejadas da exposição pública infantil e tem a intenção de fazer com    que pais e responsáveis entendam os limites dessa exposição nas redes sociais e que reflitam e previnam situações de constrangimentos as quais as crianças estão expostas, conhecida como sharenting.

Para o superintendente do Sistema de Proteção dos Direitos da Criança e do Adolescente da Seciju, Gilberto Costa, preservar o direito à privacidade é fazer valer o que diz o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). "A maior lei a tratar dos direitos das crianças e dos adolescentes já esclarece em seu artigo 17 sobre a preservação da imagem, assim sendo, cabe a todos nós como sociedade, lutar para que este direito seja respeitado. A imagem é de suma importância, uma vez que atos danosos contra ela podem gerar casos catastróficos e estigmas que irão perdurar por toda a vida", explica.

Conseqüências das exposições

A psicóloga clínica, Talyta Borges Cardoso, chama a atenção para os riscos do sharenting de crianças nas redes e alerta para a possibilidade de precedentes perigosos advindos dessa exposição. “Esse comportamento interfere diretamente no emocional da criança e em sua visão de si mesma, uma vez que não tem discernimento para opinar ou decidir sobre o que é publicado sobre ela”, alerta.

Talyta Borges destaca ainda que depois de publicada, a imagem é de domínio público e poderá ser acessada por qualquer pessoa e a qualquer tempo, diante disso aconselha dizendo que os pais ou responsáveis devem ter sensibilidade ao definir o que deve ou não ser publicado na rede mundial de computadores para evitar constrangimento. “A autoestima da criança será diretamente afetada pelas imagens publicadas, a comparação que ela mesma fará e a repercussão na internet”, pontua.

O que a lei fala

A privacidade é um direito fundamental e irrenunciável da pessoa, garantido pela Constituição Federal de 1888 e reforçada no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) que preconiza o respeito da imagem e da privacidade, pondo a salvo de qualquer tratamento desumano, violento, aterrorizante, vexatório ou constrangedor.

O 9º Fórum Internacional da Internet no Brasil sediado em Manaus, em 2019, também trouxe à tona a discussão sobre o poder das plataformas digitais e a proteção de crianças no ambiente on-line, chamando atenção para as regras e para os princípios no uso dessas plataformas.

Fonte: Portal do Tocantins

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.