TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Léo Cunha e Seus Defensores Partem Para o Ataque Contra o Ministério Público Eleitoral "Vamos Transferir Para a Baixada"

Data do post: 05/10/2020 11:20:12 - Visualizações: (493) Imprimir

foto divulgação whatsappApós receber com muita tristeza o pedido da impugnação de sua candidatura, o candidato a prefeitura de Estreito, Léo Cunha, parece ter perdido o controle.

Na última sexta feira quando a notícia do pedido de sua impugnação começou a circular, membros do partido, apoiadores e candidatos a vereador, foram pegos de surpresa com a condenação do candidato no Tribunal Regional Eleitoral.

A condenação refere-se a prestação de contas da campanha de 2018, onde o Tribunal condenou o candidato por diversas irregularidades. O resultado da condenação segundo o promotor de justiça é o candidato estar inelegível, isso porque a sentença "transitou em julgado", ou seja, não cabe mais recurso, e portanto não existe possibilidade de qualquer reforma deste entendimento.

Na sexta feira durante a inauguração do comitê, Léo Cunha, afirmou que "respeita a justiça", mas, que estaria sendo perseguido, sem citar quem estaria realizando a perseguição. Na ocasião ele não tocou no assunto sobre sua condenação e nem explicou porque ocorreram as irregularidades.

Nos grupos do aplicativo whatsapp e rede sociais, seus defensores diziam que a impugnação era "FakeNews", tentando levar as pessoas a acreditarem que não era verdade a notícia de sua impugnação, mas, diante da publicação dos documentos da decisão do TRE e do próprio MP, seus apoiadores, acabaram decepcionados.

Ainda na tentativa de defender o candidato, vários apoiadores publicaram uma certidão do TRE de quitação eleitoral, alegando que isso era suficiente para que Léo Cunha pudesse ser candidato. A quitação é apenas um dos requisitos para que o candidato possa ter a candidatura registrada, entretanto, não foram citados os demais requisitos, dentre eles o citado pelo promotor, não possuir condenação em tribunal colegiado em trânsito julgado referente a prestação de contas, caso em que Leo Cunha se enquadra.

Neste Domingo, em um grupo de WhatsApp de sua campanha, o candidato através de seu WhatsApp pessoal, partiu para guerra contra o Ministério Público.

Leo Cunha acusou o promotor que é responsável pelo caso de "perseguição política" sem nenhuma cerimônia. A afirmação é grave e não parece ser adequada no atual cenário.

O Promotor cumpre seu dever funcional, não pode ele ser acusado de forma pessoal, visto que o Ministério Público e um órgão e não tem personalidade física dos seus promotores.

A afirmação despertou indignação por parte de vários colegas do Promotor.

Alguns promotores comentaram o ataque na condição de sigilo e disseram que a afirmação do candidato é grave e atinge a toda instituição.

"Não é aceitável que um candidato, condenado com sentença em trânsito julgado, ataque um promotor, principalmente porque ele mesmo causou a situação em que se encontra".

Uma fonte próxima a promotores da cidade de Imperatriz, afirmou que Léo Cunha deveria respeitar o órgão e aguardar a definição da justiça: "Em face da afirmação vejo que o candidato tenta distorcer os fatos, pois, não existe perseguição alguma, apenas a aplicação da lei".

A situação de inelegibilidade  negada por Léo Cunha, parece ter abalado as estruturas de sua campanha, diante a gravidade do caso e de sua resposta, atacando inclusive o Ministério Público.

Fonte: Redação do Tocnoticias

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.