TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Defensoria Pública Pede Que CRM-TO Mantenha Protocolo De Atendimento Às Mulheres Vítimas De Violência

Data do post: 19/11/2020 00:48:19 - Visualizações: (194) Imprimir

Defensoria Pública-TOUma Recomendação foi expedida para o Conselho manter os protocolos de atendimentos humanizados e qualificados, bem como comunicar aos médicos sobre as ilegalidades da Portaria.

O Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem) da Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO) expediu uma recomendação na sexta-feira, 13, para o Conselho Regional de Medicina do Estado do Tocantins (CRM/TO) manter os protocolos de atendimentos às mulheres em situação de violência. A atuação do Nudem é em razão da Portaria nº 2.282, que dispõe sobre o Procedimento de Justificação e Autorização da Interrupção da Gravidez nos casos previstos em lei. A Instituição requer o atendimento humanizado e qualificado, com respeito à vontade da vítima, bem como ao sigilo profissional.

Para o Nudem, as disposições contidas na Portaria, emitida pelo Ministério da Saúde em 27 de agosto de 2020, representam uma grave violação aos direitos das mulheres e meninas em situação de violência sexual. Dentre as principais alterações estão a inclusão de dois elementos centrais: a notificação obrigatória – comunicação externa - pelos profissionais e o oferecimento do exame de ultrassom para que as mulheres e meninas vítimas de estupro visualizem o embrião/feto.

Na recomendação, o Nudem requer que o CRM/TO emita comunicado oficial aos médicos sobre a ilegalidade, inconstitucionalidade e inconvencionalidade da “notificação compulsória”, que seria a comunicação externa à autoridade policial nos casos de violência contra as mulheres.

O Núcleo explica que a comunicação compulsória tem fins epidemiológicos e destina-se a construção de políticas públicas de saúde mais eficazes. Já a comunicação externa, ao contrário, tem o objetivo de informar a comunidade externa do sistema de saúde, a exemplo do Ministério Público e Polícias Civil ou Militar, acerca do atendimento e sua causa.

“Se ele é realizado sem o consentimento livre e voluntário da mulher, estamos diante de uma violação do sigilo ético profissional e de afronta ao princípio da autonomia da vontade. É preciso considerar que a vítima de violência sexual, ao procurar os serviços de saúde, já ultrapassou um enorme obstáculo diante do cenário geral de silenciamento ao qual as mulheres são submetidas. É por isso que, ao contrário do que expressa a Portaria 2.282/2020, os serviços de atendimento devem fortalecer o seu caráter de acolhimento humanizado, qualificado e sigiloso", destaca a coordenadora do Nudem, defensora pública Franciana di Fátima Cardoso.

"Além disso, a obrigatoriedade de que seja apresentada à mulher a possibilidade de visualização do embrião/feto representa uma prática de tortura, que não encontra respaldo em quaisquer estudo técnico, mas tão somente na cultura de culpabilização e revitimização das mulheres", considera a coordenadora do Nudem. Ela acrescentou que a medida não leva em consideração o bem estar psíquico da vítima de violência sexual, que é submetida a processo humilhante e degradante.

 

Fonte: Defensoria Pública-TO

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.