TOCANTINÓPOLIS
TOCNOTÍCIAS Vocês Fazem a Notícia, Nós Apenas Divulgamos!
Siga-nos
Facebook Youtube Twitter

Foragido Da Justiça De Goiás é Preso Pela Polícia Civil Ao Tentar Renovar CNH Em Gurupi

Data do post: 22/01/2021 00:42:51  Imprimir

Secretaria de Segurança PúblicaHomem foi surpreendido quando se encontrava no prédio da Ciretran em Gurupi.

Em ação realizada na manhã desta quarta-feira, 20, em Gurupi, policiais civis da 12ª Central de Atendimento da Polícia Civil daquela cidade efetuaram a prisão de um homem de 46 anos de idade. O homem estava nas dependências da Ciretran, onde formalizava processo para renovar sua Carteira Nacional de Habilitação.

De acordo com o delegado-regional de Gurupi, Alicindo Augusto Celestino, a prisão se deu em virtude de cumprimento a mandado de prisão, oriundo da Comarca de Niquelândia (GO). “Os policiais civis da 12ª Central de Atendimento da Polícia Civil receberam informações do serviço de inteligência do Detran de que um homem estaria tentando renovar sua CNH, mas apresentava certo nervosismo e, desse modo, foi solicitado a presença dos policiais civis no órgão”, disse o delegado.

Dessa forma, os agentes foram até a Ciretran e constataram a situação. Em seguida, eles abordaram o suspeito e, após realizar buscas no Banco Nacional de Mandados de Prisão, descobriram que o homem era procurado pela Justiça de Niquelândia-GO e havia um mandado de prisão em aberto contra ele.

Diante dos fatos, o homem foi preso e conduzido até a 12ª Central onde o delegado plantonista deu cumprimento à ordem judicial. Em seguida, após a realização dos procedimentos legais cabíveis, o indivíduo foi recolhido à Casa de Prisão Provisória de Gurupi, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Fonte: Secretaria de Segurança Pública

ATENÇÃO!
Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.