MPE Pede Bloqueio de Bens de Ex-prefeito de Cachoeirinha e Outros Sete por Danos aos Cofres Públicos

Data do post: 13/09/2016 21:08:27 - Visualizações: (1199)    Imprimir

Foi ajuizada nesta segunda-feira, 12, uma Ação Civil Pública em que o Ministério Público Estadual (MPE) requer o bloqueio de bens do ex-prefeito do município de Cachoeirinha, Zélio Herculano de Castro, de uma empresa e de outros sete envolvidos em suposto ato de improbidade administrativa, no valor de R$ 53 mil.

Foto: Site WWW.tocnoticias.com.brAs investigações constataram irregularidades no processo licitatório destinado à contratação de serviços contábeis para a prefeitura no ano de 2009.

O Promotor de Justiça Celsimar Custódio, autor da Ação, relata que a licitação que resultou na contratação da empresa Conexão Contabilidade Municipal contém várias irregularidades, que macularam o procedimento, deixando nulos seus atos. “A data de abertura da empresa vencedora do processo licitatório é 30 de janeiro de 2009, enquanto a data da abertura dos envelopes é 06 de fevereiro de 2009, o que permite concluir que a empresa fora constituída unicamente para vencer a licitação”, concluiu o Promotor de Justiça.

Não constam no edital de abertura do certame informações sobre os prazos da contratação dos serviços. Outra irregularidade apontada diz respeito às datas dos atos praticados no processo licitatório. A ata de reunião de julgamento da licitação ocorreu no dia 6 de fevereiro, o parecer jurídico é datado de 9 de fevereiro, ao passo que a homologação do processo licitatório é datada de 10 de fevereiro. Porém, o contrato de prestação de serviços contábeis encontra-se datado do dia 02 de fevereiro. “É cristalina, irrefutável e gritante a fraude na licitação, no momento em que se comparam as datas dos atos praticados”, finalizou Celsimar Custódio.

Também são réus na ação Amaurílio Cândido de Oliveira, Tadeu Gonçalves Pelizari e Jairo Soares Mariano, sócios da empresa Conexão Contabilidade Municipal, além dos membros da Comissão Permanente de Licitação, Alexandre Vieira Araújo, Célio Alves dos Santos, Mesaque Fernandes da Silva e o então secretário de Administração de Cachoeirinha, Francisco Alves Faustino Filho.

Além do pedido de indisponibilidade de bens no valor de R$ 53 mil, o MPE requer a condenação dos acusados pela prática de ato de improbidade administrativa, com a aplicação de penas como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, pagamento de multa civil de até 100 vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais.

Fonte: João Lino Cavalcante Ministério Público Estadual (MPE-TO)

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Após Protestos dos Caminhoneiros, Petrobras Reduzirá Preços de Diesel e Gasolina nas Refinarias a Partir de Quarta-feira

Foto da notícia

Data: 22/05/2018 12:44:49 - Visualizações: 1212

Notícias Relacionadas

18/05/2018
Réu é Condenado a 21 Anos de Reclusão no Primeiro Julgamento Por Feminicídio na Comarca de Ananás

18/05/2018
Produtores de Palmeiras do Tocantins Recebem Capacitação do SENAR

14/05/2018
PM de Maurilândia do TO Prende Padrasto Acusado de Estuprar a Enteada de Apenas 11 Anos

14/05/2018
Homem é Preso Por Porte Ilegal de Arma de Fogo em Ananás/TO

14/05/2018
Polícia Militar Recupera Moto Biz Furtada e a Restitui Para Sua Proprietária em Araguaína

14/05/2018
Polícia Militar Prende Mais um Homem por Porte Ilegal de Arma de Fogo

Todas as Notícias