Mutirão: Comarca de Augustinópolis Deve Julgar 80 Processos Até Sexta-feira

Data do post: 17/05/2017 17:36:12 - Visualizações: (188)    Imprimir

A Comarca de Augustinópolis, no extremo Norte do Tocantins, realiza uma mobilização para reduzir o número de processos em tramitação. 

Tribunal de Justiça-TOO Mutirão de Audiências Criminais, que teve início na última segunda-feira (15/5), tem o objetivo de instruir e julgar 80 processos em cinco dias.

Os feitos pautados para o mutirão foram divididos em duas bancas. Uma delas é presidida pelo diretor do Foro, juiz Jefferson David Asevedo Ramos; e a outra pelo juiz Alan Ide Ribeiro da Silva, magistrado que atualmente auxilia nos trabalhos da Comarca.

Para a iniciativa, foram designados julgamentos de feitos relacionados a casos de homicídio, crimes contra o patrimônio, Lei Maria da Penha, tráfico de drogas e crimes de trânsito.

O mutirão segue até sexta-feira (19/5).

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Cadastramento de Solicitação de Vagas nas Creches Municipais de Tocantinópolis Segue Até Dia 15 de Dezembro

Foto da notícia

Data: 14/12/2017 11:32:12 - Visualizações: 358

Notícias Relacionadas

16/12/2017
Polícia Civil Prende Suspeito Por Tráfico de Drogas e Receptação no Interior do Estado

16/12/2017
Assembleia Fará Esforço Concentrado Para Votar Matérias em Tramitação na Casa

16/12/2017
Polícia Civil Prende Suspeito Por Porte Ilegal de Arma de Fogo em Araguatins

16/12/2017
MPF/TO Consegue Condenação Por Tráfico Internacional de Pessoa Para Fins de Exploração Sexual

16/12/2017
Polícia Civil Deflagra Operação de Combate à Criminalidade no Interior do Estado

16/12/2017
Gestores São Condenados Por Improbidade Administrativa e Devem Devolver R$ 4,4 Milhões aos Cofres Públicos

Todas as Notícias