'O Meu Pé de Laranja Lima': Projeto Leva Inclusão Social a Filhos de Reeducandos em Araguaína

Data do post: 07/11/2017 14:41:30 - Visualizações: (171)    Imprimir

Inspirado no clássico da literatura infantil, o projeto “O meu pé de laranja-lima" atendeu, em 2017, mais de 500 crianças e adolescentes com atividades desportivas e culturais. 

Tribunal de Justiça-TOA iniciativa, da 2ª Vara de Execuções Penais e da Central de Execução de Penas e Medidas Alternativas (Cepema) da Comarca de Araguaína, visa minimizar os impactos da falta de referência que filhos de reeducandos sofrem durante o processo de desenvolvimento humano na infância e adolescência.

O trabalho de inclusão social por meio da cultura e dos esportes é fruto de parcerias entre o Poder Judiciário e entidades filantrópicas. A Cepema destina recursos originários das verbas pecuniárias para ações sociais que buscam estimular, nos filhos de indivíduos em processo de ressocialização, caminhos alternativos à violência e criminalidade.

Atualmente a ação atende 517 pessoas (crianças, adolescentes e adultos), que participam de oito tipos diferentes de atividades esportivas: futebol, dança, taekwondo, muay thai, karatê, judô, jiu-jitsu e música.

De acordo com o gestor do projeto, juiz Antonio Dantas de Oliveira Júnior, a intenção é proporcionar aos menores uma vivência mais saudável e contribuir para a integração de toda a família à sociedade. “Além da contrapartida social que esse projeto preconiza, ele atende a um nicho infelizmente esquecido pela sociedade, que são os filhos de indivíduos envolvidos com o mundo crime. Acreditamos que essa iniciativa também poderá funcionar como parte do processo de ressocialização do individuo infrator, haja vista que sua família receberá ações proativas para interromper o ciclo de violência a que estão expostos”, afirmou o magistrado.

O Projeto

A inspiração para a criação do projeto “O meu pé de laranja lima” veio do clássico da literatura infantil de mesmo nome, de autoria do escritor José Mauro de Vasconcelos. O livro narra a história da solidão de um menino, cuja família sofre devido a mazelas sociais e encontra num amigo imaginário a força para seguir. Desde a sua publicação, em 1968, a obra chama a atenção para uma reflexão sobre a importância e a ausência do afeto na construção dos indivíduos.

“Nesse sentido, decidimos enfrentar os ecos da violência por outras frentes, propiciando aos filhos desses indivíduos a oportunidade de vivenciarem outra realidade, acreditando que através desse projeto poderemos ajudar crianças e adolescentes que estão em condições extremas de vulnerabilidade social”, explicou o magistrado sobre a analogia do projeto à história infantil.

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

PRF de Porto Franco (MA), Prende Casal Transportando Droga Avaliada em Meio Milhão de Reais Dentro de um Fusca

Foto da notícia

Data: 25/02/2018 11:41:41 - Visualizações: 1443

Notícias Relacionadas

25/02/2018
Polícia Civil Prende Mulher Acusada de Mandar Matar a Amante do Marido, há 29 Anos, em Porto Nacional

23/02/2018
Polícia Civil Prende Suspeito Por Crime de Violência Sexual

23/02/2018
Emenda da Mesa Diretora Propõe Destinar Recursos Diretamente aos Municípios

23/02/2018
Benefício: Justiça Converte Prisão Preventiva em Domiciliar Para mulher que tem Três Filhos Pequenos

23/02/2018
No Ministério das Cidades, Deputada Dorinha Busca Recursos Para Municípios Tocantinenses

23/02/2018
MPE Obtém Decisão Judicial que Proíbe Participação de Crianças e Adolescentes no Concurso de Miss em Paraíso

Todas as Notícias