Negada Indenização a Mulher que Não Comunicou ao Banco Furto de Cartão Usado Para Contrair Empréstimo

Data do post: 14/11/2017 18:34:01 - Visualizações: (423)    Imprimir

O juiz Nelson Rodrigues da Silva, titular da Comarca de Araguaçu, julgou improcedente uma ação de reparação de danos a uma cliente do Banco Bradesco. 

Tribunal de Justiça-TOEla buscava ser indenizada por danos morais e materiais, em razão de empréstimo feito em nome dela, por meio de um cartão bancário furtado. 

Moradora de Sandolândia (TO) e aposentada pelo INSS, a autora afirma, na ação, que teve a carteira com documentos e um cartão bancário furtados durante uma viagem a Goiânia. O cartão foi usado para realizar empréstimo, no valor de R$ 3 mil, em nome dela, a ser quitado em parcela única.

A aposentada afirma ainda ter ficado vários meses sem receber sua aposentadoria - no valor de R$ 788,00 - porque o banco descontava integralmente o benefício e precisou recorrer a novo empréstimo, de R$ 1.098,36, para quitar a dívida.  Na ação, ela busca a restituição de R$ 4.098,36, o cancelamento do empréstimo de R$1.098,36 e a reparação de danos morais no valor de R$ 40.983,60.

Ao julgar pela improcedência dos pedidos, o magistrado levou em consideração informações do boletim de ocorrência do furto lavrado pela autora, no dia 12 de novembro de 2014, um dia após o furto. No documento, ela revela ter sido furtada dentro de um ônibus de transporte público, às 13 horas, e que o empréstimo e saque ocorreram às 15 horas do mesmo dia.

Para o juiz, entre o furto e movimentação bancária houve “tempo mais que suficiente” para comunicar ao banco e pedir o bloqueio do cartão, medida que poderia ter sido tomada, inclusive, por telefone. O magistrado cita ainda o “dever do cliente” de manter a senha em segredo e que anotá-la e deixá-la junto ao cartão é “atitude temerária e reprovável”, por facilitar a ação de criminosos.

“O entendimento jurisprudencial é no sentido de que o banco não pode ser responsabilizado pela movimentação indevida na conta do cliente, quando ele revela a senha a terceiros ou proporciona meios para que terceiros venha a ter acesso a ela”, afirma o juiz.

O pedido de cancelamento do empréstimo de R$ 1.098,36 também foi rejeitado pelo magistrado. Ele entende que o valor foi utilizado para cobrir o saldo negativo dos saques feitos na conta bancária da aposentada por “descuido” dela.

Os danos morais também foram negados, porque a aposentada não comprovou a negativação junto aos órgãos de proteção ao crédito. Além disso, o juiz ressalta que mesmo se tivesse sido provada, se a razão fossem os empréstimos citados na ação, “a negativação não seria indevida, pois existiam os débitos na conta da autora e foram contraídos por descuido seu, sem culpa do banco”.

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Em Tocantinópolis, Construção de Casas Populares no Povoado Ribeirão Grande Estão em Fase de Conclusão

Foto da notícia

Data: 18/07/2018 01:38:52 - Visualizações: 729

Notícias Relacionadas

19/07/2018
Dunas do Jalapão Batem Recorde de Visitação

19/07/2018
Justiça Bloqueia Bens de Advogados e Escritórios Suspeitos de Causar R$ 120 Milhões de Prejuízos aos Cofres Públicos em Lajeado

19/07/2018
Defesa Agropecuária Recebe Grupo Chinês que Busca Investimentos no Tocantins

19/07/2018
Eleição da Associação de Moradores do Jardim Santa Bárbara de Palmas Acontece no Próximo Dia 29 de Julho

18/07/2018
Polícia Civil Apreende Adolescente Suspeito de Cometer Vários Atos Infracionais de Roubo em Guaraí

18/07/2018
Após Não Ingresso de Ação Principal em Processo, Justiça Federal Revoga Liminar que Bloqueou Bens de Ex-governador do Tocantins

Todas as Notícias