Justiça Determina que Estado e União Disponibilizem UTI em Até 24 Horas Após Prescrição Médica

Data do post: 22/11/2017 15:07:04 - Visualizações: (398)    Imprimir

Sentença foi proferida em julgamento de ação civil pública proposta pela Defensoria Pública, Ministério Público Estadual e Ministério Público Federal.

Defensoria Pública-TOA Justiça Federal condenou a União e o Estado do Tocantins à obrigação de fazer, determinando que disponibilizem leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) a qualquer pessoa que necessitar, dentro do prazo de 24 horas da apresentação da prescrição médica. A sentença foi proferida em julgamento de ação civil pública apresentada pela Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), Ministério Público Estadual (MPE) e Ministério Público Federal (MPF).

Na decisão, proferida no último dia 17, o magistrado determina que o prazo de 24 horas deve ser cumprido após a apresentação da prescrição médica ao setor de regulação da Secretaria Estadual da Saúde (Sesau). A multa para o descumprimento é de R$ 10 mil por dia de atraso e por paciente, limitada a R$ 500 mil por pessoa.

Para a sentença, o magistrado considera, entre outros tópicos, que “(...) houve a demonstração da carência de leitos, (...)”. Na ação, MPF, DPE e MPE expuseram que União e Estado vêm, reiteradamente, se omitindo quanto à obrigação de ofertar leitos de UTI a quem precisa e que, neste cenário, muitas vezes as solicitações sõ são atendidas após ordem judicial.

A ação é assinada pelo defensor público titular da 30ª Defensoria Pública da Saúde da Capital, Arthur Luiz de Pádua Marques, pela promotora de Justiça Maria Roseli de Almeida Pery, e pela procuradora Regional dos Direitos do Cidadão, Carolina Rosado.

Para a Promotora de Justiça, a decisão judicial é de suma importância, pois atua na tutela difusa e coletiva, evitando-se, assim, as demandas individuais repetitivas e os danos causados aos usuários que não conseguem acessar essa assistência em tempo hábil.

Histórico

A ação foi apresentada à Justiça após vistoria realizada no Hospital Geral de Palmas (HGP) em conjunto com Conselho Regional de Medicina, Conselho Regional de Enfermagem, Conselho Regional de Farmácia e Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (Denasus).

Conforme informações do MPF, verificou-se, à época, que a falta de UTIs vinha causando grave risco à vida dos pacientes que precisam de atendimento, além do aumento da fila de pacientes internados à espera de cirurgias complexas, que só podem ser realizadas com a disponibilidade leitos na Unidade de Tratamento Intensivo.

Fonte: Defensoria Pública-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Nêgo D´água Afundando: Prefeito de Angico (TO) Pode Perder o Cargo Por Improbidade Administrativa

Foto da notícia

Data: 14/10/2018 01:54:29 - Visualizações: 2836

Notícias Relacionadas

17/10/2018
Corrida da Justiça: Kits São Disponibilizados a Partir de Quinta-feira, 18

17/10/2018
Polícia Civil Procura Suspeito de Homicídio no Norte do Estado

17/10/2018
Polícia Militar Captura Homens Por Roubo, Recupera Motos Roubada e Outros Produtos de Origem Duvidosa

17/10/2018
Tribunal de Júri: Homem é Condenado a 23 Anos Por Assassinato

17/10/2018
Polícia Civil Tira Mais Três Traficantes de Circulação

16/10/2018
Polícia Militar Prende Casal Por Posse Ilegal de Arma de Fogo

Todas as Notícias