Prefeituras Atrasam Pagamentos e Pedem Aprovação da Reforma da Previdência

Data do post: 15/12/2017 02:47:56 - Visualizações: (2139)    Imprimir

Queda no repasse do Fundo de Participação dos Municípios agrava o déficit nas contas.

Raphael Milagres/Câmara dos DeputadosA Confederação Nacional dos Municípios anunciou nesta terça-feira (12), na Câmara dos Deputados, um panorama difícil do ponto de vista financeiro para a maioria das cidades brasileiras neste final de ano. 47% das prefeituras atrasaram o pagamento dos fornecedores e 8% adiaram o 13º salário dos funcionários. Além disso, 63% não vão fechar as contas em 2017.

A situação financeira dos municípios foi discutida em audiência pública da Comissão de Legislação Participativa. Os números mostram que um dos gargalos é o gasto com pessoal: 26% das cidades já estouraram o limite determinado pela Lei de Responsabilidade Fiscal e 54% estão próximas do teto.

O prefeito Ari Galeski, de Timbó Grande, município de 8 mil habitantes em Santa Catarina, diz que a folha de salários é o seu maior problema. “Estamos pagando em dia, mas aí você tem que sacrificar áreas cruciais para o cidadão, por exemplo, as estradas. A gente tem que cortar investimentos, cortar custeio, inclusive na Saúde, para poder pagar a folha de pagamento”, explicou.

Previdência

Para o tesoureiro da Confederação Nacional dos Municípios, Hugo Lembeck, vários projetos em tramitação no Congresso poderiam aliviar as finanças das cidades. O mais importante, segundo ele, é a proposta de reforma da Previdência.

“De acordo com as simulações feitas, a alíquota patronal deve reduzir entre 7 e 10%. Trata-se de uma economia imediata para os municípios. Na maioria dos casos representará uma liberação de algo entre 3 e 5% da Receita Corrente Líquida dos municípios", disse Lembeck.

A representante da Ordem dos Advogados do Brasil no debate, Fabiana Barth, ressaltou a importância da sobrevivência financeira dos municípios. Ela advertiu que é preciso mudar o modelo tributário, que hoje em dia privilegia a União em detrimento de estados e municípios. O deputado André Amaral (PMDB-PB), que sugeriu o debate, concorda que a maior parte do “bolo” fica atualmente com a União e que é preciso haver mudanças.

“Vale lembrar: as pessoas moram nos municípios. Então os investimentos, eles têm que ser melhor distribuídos e gerenciados, claro, pelos municípios e pelos prefeitos. Porque somente os prefeitos e a sociedade daquela região conhecem os problemas e a realidade de cada município”, observou.

Queda nos repasses

Durante a audiência pública, a Confederação Nacional dos Municípios informou também que houve queda de 6,6% no repasse do Fundo de Participação dos Municípios, o FPM, em relação a 2016, agravando o déficit nas contas das prefeituras. Os parlamentares presentes à audiência reclamaram da ausência do Ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, que foi convidado, mas alegou compromissos no horário e não mandou representante.

Fonte: Agência Câmara Notícias

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Veículo com Cinco Ocupantes Capota em Estrada Vicinal de Tocantinópolis

Foto da notícia

Data: 24/09/2018 00:32:53 - Visualizações: 3528

Notícias Relacionadas

18/09/2018
VSR: Principal Vírus Causador de Bronquiolite em Bebês Pode ser Evitado

31/08/2018
Recurso de Lula tem Chance de Ser Aceito e Ele Deve Concorrer, Dizem Professores

27/08/2018
Documentos de Veículos Agora Também Terão Versão Eletrônica

14/08/2018
Bolsonaro Registra Candidatura a Presidente do Brasil

14/08/2018
Trabalhadores Já Podem Sacar Cotas do Pis a Partir Desta Terça-Feira (14)

11/08/2018
Projeto de Kátia Abreu que Moderniza Seguro Rural Avança no Senado

Todas as Notícias