Acordo na DPE Permite Reconhecimento de Paternidade, Após a Morte do Pai, Sem DNA

Data do post: 09/01/2018 01:22:21 - Visualizações: (466)    Imprimir

O reconhecimento de paternidade foi através de um acordo realizado com as quatro irmãs da Assistida e intermediado pelo Numecon.

Imagem da InternetAos 50 anos de idade, uma Assistida da Defensoria Pública do Estado (DPE-TO) em Araguaína, no Norte do Estado, teve a paternidade reconhecida oficialmente, em um caso atípico de reconhecimento post mortem, realizado sem exame de DNA. O reconhecimento de paternidade foi possível através de um acordo realizado com as quatro irmãs da Assistida e intermediado pelo Núcleo Especializado de Mediação e Conciliação (Numecon) da DPE no município. 

O caso desperta ainda mais atenção porque a Assistida teve o Registro Geral (RG) expedido em 1988, documento que constava o nome da mãe e também do pai. No entanto, ao perder o referido documento e requerer a segunda via do mesmo, o cartório da localidade em que ela morava, em Filadélfia, a 457 Km de Palmas, informou que não poderia fazer constar o nome do pai, tendo em vista que o nome dele não estava na certidão de nascimento da Assistida, bem como não constava o reconhecimento de paternidade nos assentos de nascimento.

O acordo que permitiu o reconhecimento de paternidade foi firmado em 2017. O atendimento a esta Assistida é um dos mais de 2,8 mil atendimentos realizados pelo Numecon, em Araguaína, durante o ano passado.

Segundo a defensora pública Téssia Gomes Carneiro, a presunção relativa de paternidade, descrita no artigo 1.597 do Código Civil, vale somente para as situações matrimoniais.  No caso dos pais da assistida, que mantinham união estável, não foi possível à mãe, sozinha, registrar a filha. “Para proceder com o registro, atualmente, no caso do pai e da mãe falecidos, seria necessário na esfera litigiosa um exame de DNA, o que tornaria a perícia onerosa, apesar de haver previsão de gratuidade na lei. Mas provavelmente seria um processo muito longo. Já que as partes entraram em acordo, não houve custo e a demanda foi atendida rapidamente”, explicou a Defensora Pública.

Fonte: Keliana Vale

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Vândalos São Presos Após Cortar Palmeiras Plantadas na Rua XV de Novembro em Tocantinópolis

Foto da notícia

Data: 15/09/2018 11:23:48 - Visualizações: 7926

Notícias Relacionadas

18/09/2018
SENAR Qualifica Profissionais Para Atuar na Área de Segurança do Trabalho em Lagoa da Confusão

18/09/2018
Kátia Abreu Comenta Declaração Polêmica de Vice de Bolsonaro

18/09/2018
Projeto de Atenção à Saúde Tem Início em Araguaína

18/09/2018
Polícia Civil Prende Mais Um Traficante de Drogas em Palmas

18/09/2018
Gestão Carlesse é Reconhecida Por Desburocratizar Pendências do Setor do Agronegócio do Tocantins

18/09/2018
Defensoria Garante Nomeação de Candidatos Aprovados em Concurso Público da Prefeitura de Guaraí

Todas as Notícias