MPE Quer que Município de Angico Seja Obrigado a Implementar Programa de Acolhimento de Crianças e Adolescentes em Situação de Risco

Data do post: 07/03/2018 15:13:38 - Visualizações: (276)    Imprimir

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com Ação Civil Pública contra o município de Angico nesta terça-feira, 6, requerendo que a administração seja obrigada a criar e implementar o programa Guarda Subsidiada, destinado ao acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com Ação Civil Pública contra o município de Angico nesta terça-feira, 6, requerendo que a administração seja obrigada a criar e implementar o programa Guarda Subsidiada, destinado ao acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Atualmente, o município não possui nenhuma instituição de abrigamento nem desenvolve qualquer projeto ou programa que sirva como alternativa para o acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Essa omissão, de acordo com o Ministério Público, viola os direitos previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), bem como infringe o preceito legal de que cabe aos municípios estruturar as políticas locais da área da infância e juventude.

Diante da ausência de políticas de abrigamento e acolhimento, o MPE aponta como alternativa mais viável o programa Guarda Subsidiada, em razão das suas várias vantagens. Neste projeto, as crianças e adolescentes impossibilitados de estar com seus pais ou com outra pessoa que detenha sua guarda devem ser direcionadas provisoriamente ao lar de alguém da própria família, com quem conviva e possua vínculos afetivos. Cabe ao município acompanhar a escolha da família guardiã e conceder-lhe bolsa-auxílio no valor de meio salário mínimo, entre outras responsabilidades.

De acordo com o MPE, o programa Guarda Subsidiada tem como principais vantagens a preservação da convivência familiar e comunitária e a garantia da assistência moral, material e educacional. Para o município, há a vantagem de o custo ser inferior ao da manutenção de uma instituição de abrigamento.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Promotor de Justiça Celsimar Custódio, da Comarca de Ananás. Antes de partir para a esfera judicial, ele expediu recomendação ao município de Angico, para que implementasse o programa Guarda Subsidiada. Porém, a recomendação não foi atendida.


Ministério Público EstadualAtualmente, o município não possui nenhuma instituição de abrigamento nem desenvolve qualquer projeto ou programa que sirva como alternativa para o acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Essa omissão, de acordo com o Ministério Público, viola os direitos previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), bem como infringe o preceito legal de que cabe aos municípios estruturar as políticas locais da área da infância e juventude.

Diante da ausência de políticas de abrigamento e acolhimento, o MPE aponta como alternativa mais viável o programa Guarda Subsidiada, em razão das suas várias vantagens. Neste projeto, as crianças e adolescentes impossibilitados de estar com seus pais ou com outra pessoa que detenha sua guarda devem ser direcionadas provisoriamente ao lar de alguém da própria família, com quem conviva e possua vínculos afetivos. Cabe ao município acompanhar a escolha da família guardiã e conceder-lhe bolsa-auxílio no valor de meio salário mínimo, entre outras responsabilidades.

De acordo com o MPE, o programa Guarda Subsidiada tem como principais vantagens a preservação da convivência familiar e comunitária e a garantia da assistência moral, material e educacional. Para o município, há a vantagem de o custo ser inferior ao da manutenção de uma instituição de abrigamento.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Promotor de Justiça Celsimar Custódio, da Comarca de Ananás. Antes de partir para a esfera judicial, ele expediu recomendação ao município de Angico, para que implementasse o programa Guarda Subsidiada. Porém, a recomendação não foi atendida.

Fonte: Ministério Público Estadual

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Em Tocantinópolis, Construção de Casas Populares no Povoado Ribeirão Grande Estão em Fase de Conclusão

Foto da notícia

Data: 18/07/2018 01:38:52 - Visualizações: 868

Notícias Relacionadas

16/07/2018
Polícia Militar Frustra Furto aos Correios de Riachinho (TO), Prende um Suspeito e Material Utilizado é Apreendido

03/07/2018
Munícipes de Angico (TO), Reclamam do Fornecimento de Água da ATS. Reservatório Tem Enorme Buraco de Ferrugem

19/06/2018
Polícia Militar Recupera Veículo Roubado em Santa Terezinha do Tocantins/TO

17/06/2018
Ex-prefeito de Itaguatins Regis Melo e Vereadora Luciane do Afonso São Condenados por Improbidade Administrativa

16/06/2018
Em Maurilândia do Tocantins, Jovem Mata Desafeto com uma Pedrada na Cabeça

09/06/2018
Com o Apoio de um Cidadão de Bem, PM Prende Homem por Tentativa de Furto em Araguaína

Todas as Notícias