MPE Quer que Município de Angico Seja Obrigado a Implementar Programa de Acolhimento de Crianças e Adolescentes em Situação de Risco

Data do post: 07/03/2018 15:13:38 - Visualizações: (333)    Imprimir

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com Ação Civil Pública contra o município de Angico nesta terça-feira, 6, requerendo que a administração seja obrigada a criar e implementar o programa Guarda Subsidiada, destinado ao acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

O Ministério Público Estadual (MPE) ingressou com Ação Civil Pública contra o município de Angico nesta terça-feira, 6, requerendo que a administração seja obrigada a criar e implementar o programa Guarda Subsidiada, destinado ao acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Atualmente, o município não possui nenhuma instituição de abrigamento nem desenvolve qualquer projeto ou programa que sirva como alternativa para o acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Essa omissão, de acordo com o Ministério Público, viola os direitos previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), bem como infringe o preceito legal de que cabe aos municípios estruturar as políticas locais da área da infância e juventude.

Diante da ausência de políticas de abrigamento e acolhimento, o MPE aponta como alternativa mais viável o programa Guarda Subsidiada, em razão das suas várias vantagens. Neste projeto, as crianças e adolescentes impossibilitados de estar com seus pais ou com outra pessoa que detenha sua guarda devem ser direcionadas provisoriamente ao lar de alguém da própria família, com quem conviva e possua vínculos afetivos. Cabe ao município acompanhar a escolha da família guardiã e conceder-lhe bolsa-auxílio no valor de meio salário mínimo, entre outras responsabilidades.

De acordo com o MPE, o programa Guarda Subsidiada tem como principais vantagens a preservação da convivência familiar e comunitária e a garantia da assistência moral, material e educacional. Para o município, há a vantagem de o custo ser inferior ao da manutenção de uma instituição de abrigamento.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Promotor de Justiça Celsimar Custódio, da Comarca de Ananás. Antes de partir para a esfera judicial, ele expediu recomendação ao município de Angico, para que implementasse o programa Guarda Subsidiada. Porém, a recomendação não foi atendida.


Ministério Público EstadualAtualmente, o município não possui nenhuma instituição de abrigamento nem desenvolve qualquer projeto ou programa que sirva como alternativa para o acolhimento das crianças e adolescentes em situação de risco.

Essa omissão, de acordo com o Ministério Público, viola os direitos previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei 8.069/90), bem como infringe o preceito legal de que cabe aos municípios estruturar as políticas locais da área da infância e juventude.

Diante da ausência de políticas de abrigamento e acolhimento, o MPE aponta como alternativa mais viável o programa Guarda Subsidiada, em razão das suas várias vantagens. Neste projeto, as crianças e adolescentes impossibilitados de estar com seus pais ou com outra pessoa que detenha sua guarda devem ser direcionadas provisoriamente ao lar de alguém da própria família, com quem conviva e possua vínculos afetivos. Cabe ao município acompanhar a escolha da família guardiã e conceder-lhe bolsa-auxílio no valor de meio salário mínimo, entre outras responsabilidades.

De acordo com o MPE, o programa Guarda Subsidiada tem como principais vantagens a preservação da convivência familiar e comunitária e a garantia da assistência moral, material e educacional. Para o município, há a vantagem de o custo ser inferior ao da manutenção de uma instituição de abrigamento.

A Ação Civil Pública foi ajuizada pelo Promotor de Justiça Celsimar Custódio, da Comarca de Ananás. Antes de partir para a esfera judicial, ele expediu recomendação ao município de Angico, para que implementasse o programa Guarda Subsidiada. Porém, a recomendação não foi atendida.

Fonte: Ministério Público Estadual

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

PM de Tocantinópolis Prende Foragido da Justiça Enquanto Estava na Porta de Casa

Foto da notícia

Data: 19/09/2018 16:27:50 - Visualizações: 1570

Notícias Relacionadas

16/09/2018
Polícia Civil Prende Suspeito de Envolvimento em Homicídios na Cidade de Araguaína

12/09/2018
Prefeito de Cachoeirinha Entrega Para Comunidade Reforma Completa da Escola Municipal Pequeno Príncipe

10/09/2018
Sem Terra Bloqueiam a BR-230 Próximo ao Povoado Macaúba Após Decisão Judicial de Desocupação

04/09/2018
CESTE Emite Nota Explicando Sobre o Aumento da Vazão do Rio Tocantins

02/09/2018
Polícia Militar Prende Homem por Receptação e Recupera Moto Furtada

02/09/2018
Mãe Omite Informações Para Registrar Filho e é Condenada Pela Justiça do TO

Todas as Notícias