Empresa de Turismo e Companhia Aérea São Condenadas a Indenizar Família em R$ 60 Mil Por Viagem Não Realizada

Data do post: 07/06/2018 18:20:13 - Visualizações: (258)    Imprimir

A juíza Odete Batista Dias Almeida, em atuação pelo Núcleo de Apoio às Comarcas (Nacom), condenou a Submarino Viagens e TAM Linhas Aéreas, solidariamente, a ressarcirem família que não conseguiu embarcar em viagem de férias. As rés ainda terão que indenizar os autores da ação em R$ 60 mil por danos morais.

Tribunal de Justiça-TOConforme consta nos autos, seis pessoas de uma mesma família compraram um pacote de turismo para Orlando/Flórida, nos Estados Unidos. No dia da viagem, não conseguiram embarcar devido a um erro no segundo nome de um dos passageiros. A companhia aérea informou que seria impossível realizar a correção na hora e todos os membros da família deixaram de seguir viagem.

"Embora o equívoco no preenchimento do nome do passageiro possa ser atribuído à primeira requerida, o defeito na prestação do serviço ocorreu no momento em que a empresa aérea recusou-se (de forma desarrazoada, diga-se de passagem) a corrigir referido equívoco e ofertando como única solução viável para dirimir o impasse apenas a compra de uma nova passagem pelo preço de R$ 8.000,00 (oito mil reais) - lembrando que os requerentes adquiriam 06 (seis) passagens pelo preço aproximado de R$ 9.000,00 (nove mil reais)", pontuou a juíza na sentença, ressaltando que a Portaria n.º 676/CG 5, da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC, estabelece como regra apenas que “o bilhete de passagem é pessoal e intransferível”, mas não impede que o nome de um passageiro com erro de grafia seja corrigido, desde que isso não acarrete a transferência do bilhete aéreo para terceiros.

Sem embarcar, a família arcou com um prejuízo no valor de R$ 25,9 mil, referente ao pagamento de passagens, entrada para parques, hotel, aluguel de carro e seguro viagem. Com a devida comprovação, a magistrada determinou às rés o ressarcimento de R$ 20,6 mil (já que cerca de R$ 5 mil já haviam sido devolvidos pela Submarino Viagens).

Em relação aos danos morais, a juíza considerou que "a situação vivenciada pelos autores ultrapassou os chamados meros dissabores corriqueiros, incapazes de causar rompimento do equilíbrio psicológico do indivíduo" e, desta forma, o dano restou configurado. "Portanto, considerando o grau de culpa das empresas requeridas e a reprovabilidade de suas condutas, as condições financeiras das partes, a repercussão e a extensão do dano e principalmente o caráter preventivo e pedagógico do qual se deve revestir a indenização, de modo a desestimular a repetição de condutas assemelhadas pelas requeridas, entendo que o quantum indenizatório no valor de R$ 60 mil, sendo R$ 10 mil para cada requerente a título de danos morais mostra-se adequado", concluiu.

Confira a íntegra da sentença.

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Veículo com Cinco Ocupantes Capota em Estrada Vicinal de Tocantinópolis

Foto da notícia

Data: 24/09/2018 00:32:53 - Visualizações: 5900

Notícias Relacionadas

25/09/2018
Prefeitura Incentiva Práticas de Esporte nas Aldeias em Tocantínia-TO

25/09/2018
SENAR Realiza Curso de Cozinha Rural Para 15 Alunas em Paranã

25/09/2018
Polícia Civil Prende Suspeito de Tentativa de Latrocínio no Sul do Estado

25/09/2018
Carlesse Vai Implantar Escolinhas de Iniciação Esportiva em Todo o Tocantins

25/09/2018
Polícia Militar Captura Homem Subtraindo Produtos de Uma Conveniência

25/09/2018
Em Reunião em Palmas, Carlesse Defende Campanha Propositiva

Todas as Notícias