Motorista de Ônibus é Condenado Por Apresentar Atestado Falso no Trabalho

Data do post: 12/07/2018 13:09:12 - Visualizações: (154)    Imprimir

A juíza Mirian Alves Dourado, da 1ª Vara Criminal de Gurupi, condenou um motorista de ônibus por falsificação de documento público. O réu apresentou atestado médico falso na empresa onde trabalhava e foi denunciado pelo crime previsto no artigo 304 c.c. art. 297, ambos do Código Penal.

Tribunal de Justiça-TOSegundo consta nos autos, o réu trabalhava como motorista em uma empresa de transporte rodoviário em Gurupi e apresentou um atestado médico falso para justificar sua ausência no trabalho. O patrão, desconfiado da autenticidade do documento, levou o fato ao conhecimento da Polícia Civil e um laudo pericial demonstrou que o atestado apresentado foi modificado. Concluiu-se que o réu alterou o documento, que inicialmente era de um dia, para quatro dias.

Conforme o artigo 297, do Código Penal, "falsificar, no todo ou em parte, documento público ou alterar documento público verdadeiro" tem pena prevista de dois a seis anos de reclusão. Já o artigo 304 também criminaliza o uso de papéis falsificados ou alterados.

Na sentença, a magistrada avaliou que o acusado tinha plena consciência de que realizava ato ilegal e destacou ainda que "o tipo penal de falsificação de documento público não exige, para a sua consumação, a efetiva produção de dano, logo, a simples ação do núcleo do tipo já caracteriza o crime". "Nesta esteira de raciocínio, chega-se à conclusão de que o acusado cometera fatos típicos, antijurídicos e culpáveis, que reclama a aplicação da norma penal em caráter corretivo e repressivo, objetivando a reintegração social e prevenindo uma possível reincidência ou reiteração delituosa que viesse a ocorrer com a impunidade", complementou.

O réu foi condenado a dois anos de reclusão e pagamento de 10 dias-multa, arbitrados em 1/30 do salário mínimo vigente à época dos fatos, corrigidos monetariamente a partir da data do evento (06/03/17). Neste caso, a pena privativa de liberdade foi substituída por prestação de serviços à comunidade e prestação pecuniária no valor de R$ 35 por mês durante o período da pena.

Confira a sentença.

Fonte: Tribunal de Justiça-TO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

NazaFolia, Mais Tradicional Carnaval Fora de Época da Região do Bico do Papagaio Acontece Neste Sábado (14), em Nazaré

Foto da notícia

Data: 14/07/2018 15:06:00 - Visualizações: 559

Notícias Relacionadas

13/07/2018
Gerência de Trabalho Decente Orienta Sobre Exploração de Mão de Obra Infantil Durante a Temporada de Praia

13/07/2018
Luana Ribeiro Recebe Ministro da Saúde no Palácio Araguaia

13/07/2018
Falta de Leitos de UTI Para Pacientes de Araguaína Leva MPE a Ingressar com Ação na Justiça Contra Governo do Estado

13/07/2018
Homem Suspeito Por Tráfico de Drogas é Preso Pela Polícia Civil

13/07/2018
MPE Aciona Município de Axixá Para Implantação de Aterro Sanitário

13/07/2018
Lei Seca: Mais de 5 Mil Ações Envolvendo Crimes de Trânsito Tramitam no Judiciário

Todas as Notícias