Após Não Ingresso de Ação Principal em Processo, Justiça Federal Revoga Liminar que Bloqueou Bens de Ex-governador do Tocantins

Data do post: 18/07/2018 01:04:00 - Visualizações: (535)    Imprimir

A Justiça Federal revogou, nesta segunda-feira (16), a decisão liminar que determinava a indisponibilidade de bens do ex-governador do Tocantins, Sandoval Cardoso, e de seu cunhado e ex-presidente da Agetrans, Alvicto Nogueira.

Imagem do Site www.tocnoticias.com.brO motivo foi a "inércia do Ministério Público Federal (MPF) em promover a ação principal" no processo em que investiga os ex-gestores públicos no suposto esquema de desvio de recursos públicos por meio de fraudes em licitações de obras de infraestrutura em rodovias estaduais. A decisão é do juiz federal, Adelmar Aires Pimenta, titular da 2a Vara Federal de Palmas.

Com base em uma ampla investigação da Polícia Federal, o MPF requereu medida cautelar de indisponibilidade dos bens dos dois investigados no valor de R$ 134,5 milhões. A Justiça Federal concedeu a liminar e determinou o bloqueio dos bens, em 2017, mas estipulou um prazo de 30 dias para que o órgão do Poder Judiciário ingressasse com a ação principal, fato que não ocorreu e que motivou a revogação da  decisão da Justiça Federal. O MPF foi intimado para ingressar com a ação ainda no dia 22 de fevereiro deste ano, mas não cumpriu o prazo.

Com o fim do prazo determinado pela Justiça Federal, Sandoval Cardoso requereu a extinção da medida cautelar que bloqueou seus bens e obteve decisão favorável. Conforme o juiz federal Adelmar Aires Pimenta, a decisão que deferiu a indisponibilidade dos bens foi clara em estabelecer que o fim do prazo estipulado para o ingresso da ação principal acarretaria pena de "revogação da tutela concedida".  Ainda segundo ele, a medida aplicada inicialmente tem a característica de ser provisória e "não pode permanecer indefinidamente, à espera da boa vontade ou das conveniências do Ministério Público Federal ajuizar a ação principal tendente a responsabilizar os agentes que teriam causado dano. Esses agentes também têm direitos. Dentre eles está a prestação jurisdicional em tempo razoável", concluiu.

Completando sua fundamentação, o Juiz Federal avalia que "é incontroverso que ação principal não foi proposta, apesar de transcorridos mais de um ano e quatro meses da propositura desta medida acautelatória. É importante destacar que a Justiça Federal respondeu a tempo e modo, deferindo as providências acautelatórias apenas três dias úteis após a distribuição do feito. O Ministério Público Federal foi concitado, mais de uma vez, da necessidade de ajuizar a ação principal, entretanto, permaneceu inerte, descumprindo os seus deveres legais e constitucionais de propor a ação principal", afirmou o magistrado em sua decisão.

Entenda o caso

Ainda na gestão do ex-governador José Wilson Siqueira Campos, o Governo do Estado firmou um contrato de financiamento com o banco do Brasil no valor de R$ 1,2 bilhão para que, em parte, os recursos fossem destinados a obras de pavimentação de rodovias estaduais, que em muitos casos foram iniciadas e interrompidas no ano de 2014. Mas, segundo investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, foi identificado "um quadro amplo de desvio do dinheiro público por meio de fraudes em licitações". 

Com a investigação foram constatadas medições nas obras questionáveis e grande probabilidade de pagamento de serviços não executados; indícios de formação de cartel; destinação de valores para finalidade diversa da que fundamentou o financiamento; comprometimento de agentes públicos com os interesses privados das empresas; e, entre outros, a utilização dos recursos para o financiamento de campanhas políticas no Estado.

Fonte: Samuel Daltan/Ascom SJTO

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.

Em Destaque

Trio que Matou Comerciante é Preso Pela Polícia Civil e Adolescente Conta Detalhes de Como Assassinou José Gonçalo

Foto da notícia

Data: 12/01/2019 04:40:28 - Visualizações: 12022

Notícias Relacionadas

17/01/2019
Polícia Militar Apreende Motocicleta de Suposto Assaltante

17/01/2019
Banco é Condenado a Devolver Dinheiro à Cliente Vítima de Golpe

17/01/2019
Polícia Militar Captura Três Homens Por Roubo e Recupera Moto Roubada

17/01/2019
Kátia Abreu Garante Mais de R$ 5 Milhões Para Compra de Máquinas de Pavimentação Asfáltica nos Municípios do Tocantins

17/01/2019
Pai Presente: CGJUS Regulamenta Procedimentos Relativos à Paternidade Socioafetiva e Biológica

17/01/2019
Com Apoio da Comunidade, Polícia Militar Recupera Mais Uma Motocicleta Furtada

Todas as Notícias