TOCANTINÓPOLIS:
Facebook Youtube Twitter
Siga-nos:

Bancada do TO Vai Acionar o CADE Por Preços Abusivos de Passagens Aéreas Para o Estado

Data do post: 12/06/2019 22:28:02 - Visualizações: (239)

Preço médio dos bilhetes saltou de R$ 214 para R$ 470 em um ano.

Ascom/ Kátia AbreuApós reunião nesta quarta-feira (12) com a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), deputados federais do Tocantins e a senadora Kátia Abreu (PDT-TO) decidiram acionar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) pelos preços abusivos cobrados pelas passagens aéreas para o estado.

Reclamação constante dos tocantinenses, o preço médio das passagens para o estado (ida ou volta) - que vinha registrando queda desde 2014 - mais que dobrou do ano passado para cá, saltando de R$ 214,00 para R$ 470,04.

A bancada decidiu levar o caso ao CADE porque avaliou que as companhias aéreas fizeram de Palmas uma rota de compensação para o prejuízo ou para o lucro menor que eventualmente estejam tendo em outras rotas.

Kátia Abreu lembrou que, em fevereiro, o governo do Tocantins reduziu o ICMS de querosene de aviação de 14% para até 3%. “Não temos voos suficientes nem preços coerentes em relação aos nossos estados vizinhos que cobram ICMS superior ao nosso. Não há explicação para essa discrepância”, observou a senadora.

O presidente da ANAC, José Ricardo Botelho, esclareceu que a agência não regula preços de passagens e limita-se a regular as tarifas dos aeroportos, os manuais de segurança aeronáutica e os manuais de treinamento de pilotos – que é um dos mais rigorosos do mundo.

Além de Kátia Abreu, estiveram na reunião com a ANAC o coordenador da bancada, deputado Carlos Gaguim, o prefeito de Araguaína, Ronaldo Dimas e os deputados Tiago Dimas, Vicentinho Júnior, Dulce Miranda.

Fonte: Ascom/ Kátia Abreu

ATENÇÃO!

Os comentários do Portal Tocnoticias via Facebook, são de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios poderão ser denunciados pelos outros usuários, acarretando até mesmo na perda da conta no Facebook. Procure escrever de maneira clara para que todos possam entendê-lo. Evite o uso de palavrões, acusações sem provas, discriminação ou difamação.